domingo, 1 de junho de 2008

Onsen parte I - Proposta Indecente.








Queridos leitores infiéis. Quanto mais tempo eu passo no Japão, confesso, menos o entendo. Vejam vocês como são as coisas. Fim de semana passada fui com o meu professor e mais dez coleguinhas de sala visitar uma escola primária no estado de Toyama, a uns 300 kilômetros de Otsu, onde vivo. Bem, fomos de carro, e devo deixar registrado aqui que as estradas são óbviamente ótimas, com pequenas áreas de lazer, abastecimento e descanso a cada 20 kilômetros e áreas maiores a cada 50 kilômetros. O pedágio aqui funciona da seguinte forma: a estrada passa ao largo de todas as cidades, então para entrar nas estradas a gente precisa pegar as saídas, em cada saída tem um posto de pedágio. Você pega uma ficha quando entra na estrada e devolve quando sai dela, assim eles calculam o quanto você andou e o quanto você tem de pagar de pedágio. Aí vem a parte amarga da coisa, por 300 kilômetros pagamos cerca de 100 reais de pedágio...
Bem, chegando a Toyama o primeiro passeio era ir a um Onsen. O Onsen é uma das "instituições" mais tradicionais da vida social do japão, são águas termais, de origem vulcânica, onde as pessoas entram e relaxam por algum tempo. Aí você vai pensar: "Ah, é Caldas Novas pô!", hum, mais ou menos, porque no Onsen é o lugar onde o seu "superior" o trata como se fosse um "igual" portanto quando o seu "superior" o convida para ir ao Onsen, é aconselhável que você aceite. O nosso Onsen era ao ar livre, nas fotos acima vocês podem ver um dos poços, mais fundo, e outro, mais aberto. As lonas azuis que vocês vêem na foto, são para que as pessoas troquem de roupa. Ah, um detalhe importante sobre o Onsen, nele se deve entrar completamente nú... Bom, acho que vocês já começaram a entender a enrascada em que eu me meti né? Porque se o meu professor me chamasse para ir ao Onsen, eu deveria aceitar, se eu aceitasse, deveria entrar nú, e se entrasse nú, bem, era um Onsen aberto... Bom, chegamos, demos uma volta, e percebi que ninguém tinha entrado. Pensei, "Ufa, acho que era só para ver o Onsen... Não vou ter de ficar nú na frente do mundo" foi quando ouvi meu professor me chamar " Dabi San, vamos entrar!" Foi aí qie pensei "Houston, we have a problem..." Bem, Hoje já escrevi muito, amanhã eu conto como termina essa história...

Respondendo:

Oi Lulú!! Puxa que triste ouvir essa notícia do Vitão... Mas é isso, enquanto todo mundo quiser manter o seu "direito" de ter a sua arma, essas coisas vão acontecer. O mais triste é ver como o brasileiro é facilmente manipulável, foi só o lobby das armas derramar uma graninha, comprar uns deputados e fazer a propaganda que todo mundo "se conveceu" de que ter arma era um bom negócio, pra nossa segurança! Aí tá o resultado... Beijos pra você Lulú, e o ciso, como foi?

4 comentários:

*Deya* disse...

Percebi que a faculdade exige bastanteeee da gente... inclusive dá até para sumir um tempo =)
MAs to vendo que aí além de passear, estudar, tem que entrar em algumas "frias" eihn.. rsrsr
Boa semana para você David...
Beijoo

samara disse...

eu odeio essas pessoas q não terminam de contar as coisas... detesto isso!!! e por favor me pouope da sua foto tomando nas caldas novas do japão!!!
bjks

Sarah Nogueira disse...

Oi, Devidi!!! Voltei!! Agora a gente pode voltar a se encontrar. Vc vai publicar as fotos do seu nu artístico nas águas termais do Japão???
Beijos

Guilherme disse...

Concordo cam a Sams, q negócio é esse de começar e não termina, isso não se faz, tá pensando que isso aki é novela, só pra gerar polêmica para na parte mais tensa e só recomeça na segunda que vem, isso não se faz vai matar de curiosidade as mulheres, e alguns homens também!!!
Outra coisa, qd for publicar suas fotos coloca as faixas de censura, pode ser traumatizante ;D.
E por último, estamos com saudades.

[]'s Gui
via LifeDrive