sábado, 15 de dezembro de 2007

Os outros Brasileiros


"Pao ou paes eh questao de opiniaes. O sertao estah em toda parte." Parafraseando Guimaraes Rosa eu diria que o Brasil estah em toda parte. Soh que nao nos esquecamos que o Brasil nao eh um soh...
Na sexta feira descobri que a minha aula de rumba nao era na sexta. De imediato tive um alivio profundo, fiz uma ar de contrariado, " mas que pena, queria tanto..." mas fui logo interrompido pelo aviso, eh amanha. e depois da aula tem a festa de fim de ano da Universidade. Tudo amanha. Hum, ok, entao hoje, sexta, eh dia de estudar certo? Bem, sabe como eh, um liga, outro bate na porta e quando voce percebe jah sao duas da manha, e eu que queria ir dormir cedo... mas no sabado acordei, arrumei o quarto, lavei a roupa, estudei meia pagina do meu livro de japones, de maneira que fiquei de certa forma orgulhoso de mim mesmo. No fim da tarde fui para a International Residence para a aula de Rumba...
Meus queridos amigos eh incrivel constatar que nos, todos nos, enxergamos o mundo a partir daquilo que nos acreditamos que o mundo seja. Aqui no japao, os japoneses e europeus acham que porque sou brasileiro eu sou uma especie de latin Lover, que danca, canta, sapateia e sai com todas as mulheres. E nao ha o que eu possa fazer pra mudar essa ideia, muito embora eu passe longe de tudo isso ai, coitado de mim. Mas eu vou pra aula de rumba, e a Monika fala pro professor, ah, esse aqui eh o David, do Brasil, ai o professor que eh da Servia ou algo parecido jah vem, " ah, entao voce danca muuuito bem" ai eu jah vou tentando advertir o cara "olha, nesse sentido eu sou um mal brasieliro..." soh que eles colocam a musica, eu me esforco pra fazer qualquer coisa e o cara " Ah veja, eh muito facil ensinar um brasileiro a dancar!" e eu pensando comigo "putz, eu to aqui fazendo os passos do Coisinho de Jesus e o cara tah achando que tah bom!" Mas eh isso, por mais que eu nao dance nada, os caras olham pra mim e veem um dancarino, e como naquele filme idiota que o cara namora uma mulher gorda e feia, mas toda vez que ele olha pra ela ele ve a Gwyneth paltrow. Pois eh, pra eles eu sou a Gwyneth paltrow, muito embora na verdade eu seja a gordona feia... Outro exemplo:
Ontem, depois dessa "aula" nos fomos pra festa de natal dos estudantes da universidade, que foi em um club em Sakae. A festa era fechada para nos ateh onze horas, e depois o club abria pra todo mundo. Bom, na festa eu vi o Boris, o alemao, falando com a irma dele, e eu ouvi o meu nome, nao entendi bulhufas porque eles estavam falando alemao, mas entendi que tavam falando de mim, ai eu perguntei, "o que voce tava falando?" e e ele" do seu treinamento" e eu "putz." O Problema eh que a Monika, desde que eu cheguei aqui, jah me perguntou umas dez vezes se eu tinha servido o exercito no Brasil (aqui todo mundo que eh da Europa Oriental e Asia jah serviu o exercito de seu pais), e eu sempre respondia "nao, sou um homem de paz," mas na decima primeira vez que ela perguntou eu fiquei de saco cheio e respondi "claro." E ai eu, que sou modestia parte um bom contador de causos, contei a ela do meu extenuante curso de sobrevivencia na selva, quando ficamos um mes jogados na floresta amazonica eu e mais dez companheiros com nada mais alem do nosso equipamento que incluia um martelo armas, municao, facas e pilulas para decantacao de agua. Falei da terrivel e famosa cobra gigante da Amazonia, a Anaconda, que tivemos de matar que nos foi util como alimento, falei da dificuldade de locomocao na selva, e do fato de descansarmos de dia e andarmos de noite, porque alem de eviatrmos o calor extenuante podiamos nos guiar pelas estrelas. enfim, o treinamento do capitao Nascimento parece colonia de ferias perto do que eu e meus companheiros passamos na floresta. Eh claro que muitos desistiram, mas no final eu e mais dois conseguimos terminar tudo, o que me dah o titulo de tenente da reserva do grupo de operacoes super ultra especiais do exercito brasileiro. Pronto. Alem de nunca mais perguntar, a mensagem foi passada para toda a comunidade internacional do campus, e agora eu realmente sou por aqui o estereotipo do homem latino americano, do tipo "hay que endurecer pero sin perder la ternura..." Finalmente, depois que os gringos ouviram nao a verdade, mas o que eles queriam ouvir, se deram por satisfeitos...
Mas, continuando na festa. Bem, logo na entrada do club me surprendeu um aviso, em portugues, que dizia algo como "proibido a entrada (assim mesmo, com erro de portugues e tudo) de pessoas com chinelo, sem camisa, proibido brigas no interior do club, proibido comportamento de violento atentado ao pudor..." eu pensei, puxa, a comunidade portuguesa aqui deve ser muito sem educacao, no minimo o Manoel e o Joaquim vieram aqui um de chinelo e o outro sem camisa, abaixaram as calcas e fizeram xixi no meio do club, ou algo do tipo..." ( ateh coloquei pra ilustrar este post uma escultura que eu acho que foi feita em homenagem a esses dois). Lah, dentro, quando fui ao banheiro, vi o primeiro banheiro com pixacao do japao! (puxa tava sem meu celular pra tirar uma foto...) e a pixacao dizia "magrao viado" e a outra respondia "salxicha boiola" (salxicha escrito assim mesmo...) e eu pensei, " puxa os portugueses usam apelidos e chingamentos como os nossos no Brasil..." Meus amiguinhos, quando o portao abriu as onze pro "povo comum das ruas" eu entendi porque aqui em Nagoya os brasileiros nao sao muito bem vindos. O clube foi invadido pelos "brasieliros da Toyota." Os brasieliros da toyota sao os caras que vem aqui pra trabalhar nas fabricas. Aichi, prefeitura da qual Nagoya eh a capital, eh o lar das maiores fabricas do Japao, inclusive o lar da Toyota. Portanto todos esses caras vem pra cah, em busca de uma vida melhor. Nada contra. O problema eh que eles vem para cah mas continuam a se portar como se estivessem num jogo do Curingao em "preno parque sao jorge contra o parmera." Bixo, foi uma invasao de mano sem precedentes na historia de um club. Em meia hora o club tava tomado, jah tinham vomitado em cima de uma menina do meu lado, passaram a mao na bunda de uma alema do outro, foi o Caos. Eu, como tenente das tropas ultra- especias do exercito brasileiro falei, "pessoal vou embora porque se alguem esbarrar em mim eu vou revidar vou mandar uns tres pro hospital e perder a minha bolsa, entao pra evitar problemas to indo embora." " eh claro que todo mundo me entendeu, ateh porque agora ninguem ousa nao me entender, hehehe, saida pela direita, no melhor estilo Leao da Montanha! Mas na volta, quando dirigia laranjinha rumo ao kaikan fiquei pensando nisso tudo e nao pude evitar uma certa tristeza neh. Tipo, educacao ou educacaes, nao eh questao de opiniao, mas de falta de oportunidade. No Brasil nao tem emprego pro povo, o povo nao tem acesso a educacao, e ai tem de sair, e quando sai eh desse jeito, parecendo bixo. Ontem a noite na festa, antes da invasao, uma japonesa me disse, " que bom que voce vai pra Shiga. lah os japoneses gostam mais dos brasileiros, aqui em Nagoya os brasileiros sao muito discriminados... quando ela me disse isso eu nao entendi muito bem o porque da coisa, mas agora eu entendo... Eh isso, o Brasil estah em toda parte. E sao muitos os Brasis. Beijos a todos. e a gora respondendo...

Luciane- Puxa mas que almoco bom... mandou um beijo pra ela? Diz que eu to com saudades heheh, beijos,

Lara- Oi minha querida sobrinha. Ainda nao decidimos o natal completamente. mas ateh o dia 24 meio dia a gente resolve. Nao ha perigo de eu me tonar um consumista. para tanto voce tem de ter dinheiro...

Renata- parabens!! Nao, ninguem me confundiu com o Jack Chan nao... beijos!!!

Luciana- eu sabia que voce ia gostar!

Deborah- nao preciso ir aos correios nao.Para receber os presentes que voces manda do Brasil os correio entregam aqui mesmo...

papi e mami - nao exagerei nao, ateh porque eu nem entrei nas lojas, soh tirei as fotos, e de longe!

Sarah - Rumba pode? heeheh, na segunda eu tiro as fotos e coloco aqui. Beijos

Samara - Bom, infelizmente nao deu pra tirar a foto. mas eles nao acham que eu danco nao, tem certeza heeheh


3 comentários:

luciana disse...

Que triiiste isso! eles passam uma imagem totalmente negativa sobre nós! Maaas.. você tá aí pra desfazer isso né? porque você é um brasileeiro educado! ;D

*Deya* disse...

Nossa David, a história de sobrevivência na Amazonia foi a mais convincente que eu ja ouvi, pena que é mentira neh, rsrsr
Agora imagine só, se um dia alguem passar por perigo, eles certamente se lembrarão de você para socorre-los. Será um heroi. rsrs
Um bjo

Anônimo disse...

Poxa, David.. deu vontade de chorar, não sei pq...